Parceiros da saúde
Psicologia & Urologia no tratamentos das disfunções sexuais
CLÍNICA ENDO-UROLÓGICA DO PARÁ: Urologia & Psicologia em Belém na medida certa
   Casa      Disfunção erétil DE

  
           .

 

A Disfunção Erétil (DE) ou impotência consiste na dificuldade em alcançar ou manter a ereção peniana que seja suficiente para um desempenho sexual satisfatório. Vale lembrar que falhas ocasionais são comuns e fazem parte da vida sexual de qualquer homem. Só quando o problema ocorre repetidamente é que se configura a Disfunção Erétil. A maior parte das queixas em relação à Disfunção Erétil é de que o paciente até consegue alcançar a ereção, porém esta não é suficientemente firme para uma relação sexual satisfatória. Em alguns casos esta ereção pode acontecer, mas desaparece rapidamente quando se pratica o ato sexual em determinada posição, ou ainda, durante a penetração


Causas:
Há duas razões fundamentais para se ter ou manter uma ereção, são elas causas orgânicas e psicológicas e em geral ambos estão relacionados, afinal é natural se ter um problema físico derivado de um problema psicológico, e a Disfunção Erétil não é exceção. Aproximadamente 10% dos casos de Disfunção Erétil são causados por fatores psicológicos, geralmente relacionados ao nervosismo ou pressão durante o ato sexual. Outras causas psicológicas comuns são o medo do fracasso, a cobrança por parte da parceira, o estresse, a ansiedade, a depressão e inclusive a falta de desejo. Os outros
90% correspondem às causas orgânicas, normalmente atribuídas a enfermidades vasculares, e como o pênis requer uma boa irrigação sanguinea para ter uma ereção, qualquer obstrução, por mais leve que seja, pode interferir e dificultar a ereção.

 

A Disfunção Erétil não deve ser confundida com a falta ou diminuição no "apetite sexual", nem como dificuldade em ejacular ou em atingir o orgasmo.


Causas Clínicas:
- A diabetes é provavelmente uma das grandes vilãs, pois de 30 a 50% dos diabéticos estão entre as vítimas do problema. Isso acontece porque a diabetes descontrolada causa doença vascular e dano nervoso, ambos influenciando a capacidade de ereção. - Além da diabetes, doença renal, alcoolismo, tabagismo, esclerose múltipla, e a doença vascular são responsáveis por cerca de 70% de todos os casos de Disfunção Erétil. - Entre outros fatores de risco estão a hipertensão (pressão arterial elevada), hiperlipidemia (excesso de gordura e lipídios no sangue), hipogonadismo (redução da atividade das glândulas reprodutivas), disfunções endócrinas, entre outros.



 







O pênis é composto de três estruturas que lembram cilindros. Duas dessas estruturas, os corpos cavernosos, ficam na parte superior e são adjacentes. A terceira fica abaixo das outras duas e é o chamado corpo esponjoso, por onde passa a uretra (o canal por onde sai a urina).


A glande, ou cabeça do pênis, é uma continuação do corpo esponjoso, que sofre uma dilatação e assume sua forma característica.

O interior dos corpos cavernosos lembra uma esponja, com inúmeros espaços revestidos por uma fina camada de músculo. A ereção é uma resposta do pênis a um estímulo sexual.

 

Ao ver, ouvir ou sentir alguma coisa "sexualmente estimulante", o cérebro envia sinais que relaxam a musculatura do pênis. Neste momento os corpos cavernosos enchem-se de sangue. O pênis aumenta e enrijece.

Ao expandirem-se, estes tubos exercem pressão nas veias que escoam o sangue do pênis. O sangue fica retido nos tubos e o pênis mantém-se ereto.








É feita uma avaliação detalhada que consiste em exames físicos simples completamente indolores e seguros.

- Histórico clínico e sexual detalhado: O médico fará a anaminese detalhada e procurará identificar possíveis causas para o problema;

- Exame do tecido esponjoso do pênis: Esse é um exame específico em que o médico procurará identificar se há lesão no tecido esponjoso;

- Análise do fluxo sanguíneo na artéria do corpo cavernoso, utilizando um Doppler ultra-sônico de alta freqüência. Esse exame é extremamente importante para distinguir se a impotência é de ordem psicológica
ou física;

- Estudo dos canais nervosos através da bioestesiometria, com o objetivo de determinar a integridade dos terminais nervosos do pênis;

 

- Teste de ereção Fármaco Induzida: Para esse teste são usadas drogas vasoativas que terão suas doses definidas pelo médico de acordo com o histórico clínico do paciente e resultados dos exames físicos anteriores. O objetivo é promover a ereção involuntária. Indicada para pacientes com disfunção eréteis não psicogênicas.







Medicamentos Orais:


Existem diversos tratamentos para a Disfunção Erétil, entre eles os tratamentos orais. Com algumas variações, estes comprimidos atuam de maneira indireta, ativando mecanismos que permitem um melhor fluxo sangüíneo no pênis. Sua efetividade e duração são variáveis, sendo uma terapia aceitável nos casos de disfunções leves ou moderadas.

Medicamentos Injetáveis:


(Aplicações intracavernosas de vasodilatadores)
A terapia intracavernosa apresenta excelentes resultados com poucos ou nenhum efeito colateral. A utilização deste é indicada a todo paciente que apresenta Disfunção Erétil de causa orgânica e que consiga ereção com estas drogas vasoativas. Esta terapia é comumente indicada para tratamento conjunto com a psicoterapia. Existem no mercado mais de 20 produtos indutores de ereção, para aplicação de injeção diretamente no corpo cavernoso. A escolha do tipo de paciente para esse tipo de tratamento é fundamental, privilegiando, é claro, aqueles com corpo cavernoso íntegro, aqueles cujas terapias anteriores tenham fracassado e que não tenham severa hipertensão arterial e nem alergia
ao medicamento a ser injetado. Também alguns pacientes estão impedidos dessa técnica quando não conseguem se auto-aplicar o medicamento.

Os pacientes diabéticos respondem, em sua maioria, muito bem a esta terapia. A adaptação aos procedimentos de preparo e aplicação também é muito rápida uma vez que são os mesmos que estão acostumados no preparo e aplicação da insulina. É importante frisar que trata-se de um procedimento indolor em que é usado um aplicador que "esconde" a seringa.

Implantes penianos:


Os implantes são colocados por dentro do pênis, ficando completamente internos e sendo altamente estéticos. Os implantes são uma excelente opção de tratamento para pacientes com Disfunção Erétil devido a causas orgânicas, e que não obtiveram sucesso com os tratamentos clínicos (medicamentos tópicos, via oral, auto-aplicação e bomba de vácuo).

Outras terapias:


Existem terapias como a psicológica, a bomba de vácuo e as vasodilatadores intra-uretral, além de existirem diversos tratamentos a base de ervas, medicamentos naturais e similares cuja efetividade não foi determinada.